Causas que necessitem de perícias complexas não devem ser julgadas pelos Juizados Especiais Federais

laptop and coffee

Photo by fauxels on Pexels.com


Nas causas relativas ao recebimento de diferença de adicional de insalubridade, a necessidade de realização de perícia técnica afasta a possibilidade de aplicação do rito dos Juizados Especiais Federais. Foi baseado nesse precedente jurisprudencial que a 1ª Seção do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), por unanimidade, conheceu conflito de competência para declarar a competente a 2ª Vara da Seção Judiciária do Amapá (SJAP), em ação proposta contra a União, objetivando ver reconhecido direito ao recebimento de adicionais de insalubridade e fronteira. O pedido foi feito em decorrência do exercício de função de Técnica em Enfermagem no Parque Nacional do Tumucumaque (Distrito Sanitário Especial Indígena). A decisão foi baseada nos princípios da oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade.

O conflito negativo de competência suscitado pelo Juízo Federal da 3ª Vara (JEF) da SJAP em face da 2ª Vara com o fundamento de que para a solução da questão controvertida é necessária a produção de perícia complexa, para exame das condições de trabalho a que se encontrava submetida a parte autora, o que afasta a competência das varas dos juizados especiais. Já a 2ª Vara sustentou que a causa tem valor inferior a 60 salários mínimos, e, ainda, de que a alegação de que a causa depende de produção de prova pericial complexa não é suficiente para a modificação da competência.

 Ao analisar o caso, a relatora, desembargadora federal Maura Moraes Tayer, destacou normativos sobre os objetivos dos JEFs como o artigo 98 da Constituição que dispôs sobre a criação dos juizados especiais para julgamento e execução de causas cíveis com objetivo de alcançar a celeridade dos processos de menor complexidade.

A magistrada também ressaltou julgado do próprio TRF1 na hipótese em que a parte autora pleiteia pagamento de diferença de adicional de insalubridade, como é o caso, a pretensão somente pode ser examinada a partir da produção de perícia técnica e anulação do ato administrativo, o que afasta a competência das varas dos Juizados Especiais Federais, em vista dos princípios da oralidade, simplicidade, informalidade, economia processual e celeridade. “No caso, a autora alega exercer funções de Técnica em Enfermagem no Parque Nacional do Tumucumaque, Distrito Sanitário Especial Indígena do Amapá e Norte do Pará, no atendimento à população indígena, em área de floresta, estando exposta a agentes insalubres físicos, químicos e biológicos, e sob condições que teriam expostos a riscos a sua saúde. Por essa razão, indicou, na petição inicial, a necessidade de ser realizada perícia para exame do ambiente de trabalho quanto à exposição de agentes insalubres ou perigosos com quais mantêm contato. Ainda que não seja possível afirmar que se cuida de perícia complexa, o certo é que também não se pode, a priori, afastar essa possibilidade, em vista dos desdobramentos que podem ocorrer na produção da prova. Assim sendo, impõe-se afastar a competência dos juizados especiais para julgar o pedido”, pontuou a relatora em seu voto.

Processo 1018223-81.2021.4.01.0000

TRF1 14.02.2022

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.